“Lá não tem nada, só cerrado!”

cerrado Pq Chapada dos veadeirosA frase, acreditem, é do Ministro da Agricultura, Wagner Rossi. Destacada pela Renata lo Prete, eu vi a citação no blog do Noblat:

Nadinha
Renata Lo Prete, O Globo

Wagner Rossi (Agricultura) causou espanto em reunião do “Conselhão”, anteontem, ao dizer que a expansão da fronteira agrícola para Maranhão, Tocantins , Piauí e oeste da Bahia não tem impacto ambiental nenhum. Isso porque, segundo o ministro, “lá não tem nada, só cerrado”.

Os comentários no blog também evidenciam a pouca compreensão que muitos brasileiros tem das questões ambientais. Penso que parte da culpa é dos ambientalistas – comento abaixo – mas, se é algo compreensível em pessoas pouco informadas, acho imperdoável para um Ministro de Estado. Não por acaso a discussão sobre o Código Florestal promete esquentar.

Há alguns anos, houve um debate acalorado e muito interessante no fórum online da disciplina Educação Ambiental Sustentável, que ministro pela internet na UnB. Um estudante fez uma observação sobre a “beleza da natureza”, e eu perguntei se a natureza deveria ser preservada porque era bela, ou se um bioma menos bonito, como o cerrado, também precisava ser preservado.

O debate esquentou, inclusive, questionando a colocação de que o cerrado não seja bonito, e devo dizer que também penso que há partes lindíssimas. Mas o fato é que o “marketing ambientalista” realmente mostra as “maravilhas” visuais da Amazônia e do Pantanal, e acaba passando a impressão de que esses biomas devem ser preservados porque são bonitos.

Então, sobra para o cerrado. Ele é hoje considerado um hotspot, uma das áreas do mundo em que é mais importante a preservação da biodiversidade.

Talvez seja bom oferecermos um curso de Educação Ambiental para o Ministério da Agricultura…

Anúncios

Sobre Lenise Garcia

Professora do Instituto de Biologia e do Mestrado em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília. Interessada em formação de professores e divulgação científica, especialmente com o uso de tecnologias e comunidades virtuais.
Esse post foi publicado em ambiente e marcado , . Guardar link permanente.

21 respostas para “Lá não tem nada, só cerrado!”

  1. Tânia Figueiredo de Freitas Valle disse:

    Mas que absurdo! O cerrado não só é belo, como importantíssimo para o equilíbrio ecológico. É um ecossistema muito importante!
    Para ser ministro devería-se pelo menos entender um pouco de leis ambientais e de meio ambiente! A expansão agrícola continua sendo uma grande ameaça, não somente ao cerrado, mas também a outros ecossistemas. E tem que ser detida!

    Tânia

    • Guilherme Mamede disse:

      É, deveriam entender o porque das leis né.

      • Tânia Figueiredo de Freitas Valle disse:

        Para isso deveriam estudar as ações que envolvem a ação humana e sua influência na natureza. E quais implicações que isso tem sobre a vida humana.

  2. Raoni Japiassu disse:

    Ainda pior do que o Ministro da Agricultura não entender de meio ambiente é ele não entender de agricultura. Se entendesse, faria coro às análises de que o Brasil não precisa derrubar sequer um hectare de mata nativa para aumentar sua produção agrícola. E assim substituiria o discurso da expansão da área agrícola pela do aumento da produtividade, competitividade e aproveitamento de áreas degradadas.

  3. Edvandro Abreu Ribeiro disse:

    O que ele considera um impacto ambiental afinal?

  4. Márcio disse:

    E incrivel o poder de não conhecimento desse povo ai…tanto estudo pra nada, e por essas que muitos dos engravatados deveriam sair de seus gabinetes e conhecer em loco a diversidade cultural, social e ambiental do nosso Pais, moro em Tocantins aqui temos um cerrado incrivel com uma diversidade biologica magnifica o problema e que tudo isso esta desaparecendo, trocada por soja e eucalipto.
    Fico envergonhado com o discurso da senadora Katia Abreu “Temos que abrir novas fronteiras para a agricultura” a duvida é, para almentar os pés de eucalipto do deputado Federal Irajá Abreu seu filho que tem 200 mil pés plantados na região norte do Estado, ou familiar?, o fato e que se não abrirmos a capa do olho o codigo Florestal quando aprovado vai varrer o pequeno agricultor do campo, ai a festa vai ficar do jeito que o diabo gosta…….

  5. Nasci e cresci em Brasília, tenho 45 anos, e tenho uma lembrança que até hoje me incomoda. Compartilho com vocês… Quando criança, a palavra “Cerrado” era quase um sinônimo de “lixão”. Pasmem, mas era assim que as pessoas diziam quando precisavam se livrar de entulhos ou dejetos indesejáveis: “Que troço é esse menino, joga isso no Cerrado!..”. Muitas vezes tinha um significado xulo ou pejorativo, ligado a pessoas marginalizadas, malfeitores e mulheres vulgares… que se prostituiam no Cerrado… Era comum no início da construção de Brasília, migrantes sem condições fazerem barracos no Cerrado nativo, era semelhante a “morar em baixo da ponte” ou em favelas. A frase do ministro não me surpreende. Penso que é fruto da mesma educação que recebi. Acredito que somos contemporâneos. Ainda hoje abro os livros de geografia e me assusto com a definição dada à mata típica do Cerrado com fisionomia herbáceo-arbustiva com arbustos e subarbustos espaçados entre si: “Campo sujo”… É assim que os geógrafos entendem… “Campo sujo?” o que eles querem dizer com isso… Eu me entristeço pela merda de educação que eu e esse ministro recebemos… Pior ainda é remedarmos um erro feito papagaios… Eu tô tentando consertar isso com meus filhos… Espero que o ministro faça o mesmo.

    • Lenise Garcia disse:

      Francisco,

      Pior que “campo sujo” é mesmo um termo técnico, que designa vegetação baixa, com árvores esparsas. São as árvores que “sujam” o campo… Mas você tem razão, para um leigo o uso do termo pode passar uma impressão totalmente diferente.

      Como eu disse brevemente, é preciso que consigamos tornar mais perceptível o grande valor, inclusive financeiro, da biodiversidade. Defender o ambiente de modo mais pragmático e menos romântico.

    • Lenise Garcia disse:

      Lembrei-me de outra coisa. Há não muito tempo, descobri a diferença, conversando com um grupo de alunos do Ensino Médio, entre os conceitos que eles tem de “mata” e “mato”.

      A “mata” é natureza exuberante, e fica lá longe, por exemplo na Amazônia. Eles aprenderam na escola que é importante preservá-la.

      O “mato” fica na fazenda do pai dele, é perigoso e atrapalha o desenvolvimento.

    • Tânia Figueiredo de Freitas Valle disse:

      Antes de existir uma Geografia Crítica; especialmente no período militar, pouco entendíamos das relações que envolvem características físicas, influência humana e o meio ambiente como um todo! E os conceitos de ambiente eram muito limitados e com visâo ofuscada da realidade global.
      É verdade, a educação tem grande influência na vida das pessoas. E às vezes erram, não por maldade, mas por não possuir um olhar mais amplo no assunto.

  6. Luiz Carvalho disse:

    De forma bem curta: LAMENTAVEL. Imagine agora esta competencia para assuntos estragtegicos de um pais que tem cerca de 25% do PIB proveniente da agricultura, uma matrix energetica exemplar a nivel mundial pelo uso de combustiveis renovaveis e o unico pais no mundo com risco minimo de desequilibrio na producao de alimentos, energia renovavel, fibra e alimento animal. Quem e que esta fazendo tudo isto???
    Com certeza nao seria uma competencia destas. Mas sim a sociedade Brasileira que tembem e uma referencia mundial em proposta social de igualdade em todos os setores de atividades humanas.
    FORA
    Luiz

  7. eliz disse:

    Podemos esperar o pior… em nosso país as indicações são feitas para atender interesses partidários, nenhum compromisso político há com questões do tipo educação, meio ambiente, segurança, saúde. Só ouvimos essas palavras em época de eleição.

  8. Dagmar Giordani Gontijo disse:

    SERA QUE ELE NAO SABE NEM ISSO????
    No Cerrado, estão as nascentes dos rios que abastecem as três principais bacias hidrográficas do país. De acordo com dados da SOS Cerrado, 78% da água que abastece a Bacia Amazônica vem de rios que nascem no Cerrado; 50% das água da bacia do São Francisco, tem origem nas nascentes do bioma; 48% a bacia Platina (Paraná-Paraguai).
    AHHHHHHHHHHHHHHH “NUM CRIDITO”…

  9. MARCO FREITAS disse:

    Concordo em parte, que em certas partes, o cerrado por sua rusticidade perante as secas e queimadas possa não ser tão belo.
    Contudo é um bioma com fauna e flora que precisa ser preservado.
    Local do belo e raro Lobo Guará e outras tantas espécies.

    • Guilherme Mamede disse:

      E Marcos, um lugar dos belos ipês, de seus belos pequiseiros, dos belos e mágicos troncos contorcionistas e sobreviventes, até sobre pedras. Vezes exuberantes… Com suas chapadas e cachoeiras. Há tantos tipos de cerrados. Mas gosto é gosto. Só não diga que meu cerrado não é belo.

  10. Guilherme M disse:

    Deveria ser pré-requisito ter um curso de conceitos e verdades socio-ambientais e na agricultura para receber o poder de aplicação do Ministério da Agricultura.

  11. Kennedy Road disse:

    Brasília também não tem nada, só ladrões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s